Causos, mamilos e coisas assim…

24 jul
"Não, não é ela."

“Não, não é ela.”

Olá amiguinhos tudo bom?

Hoje venho contar mais de meus causos no mundo real.

Vocês podem não saber, mas eu presto serviço de manutenção de eletrônicos (leia-se computadores) para vizinhos, conhecidos, amigos e afins.

Ser um vagabundo mulambo em tempo integral nunca levou ninguém a lugar nenhum, com suas devidas exceções é claro.

Tenho diversas sagas nesse mundo de ajuda a pessoas necessitadas e sem nível de instrução avançado no mundo informático.

O causo mais recente aconteceu exatamente hoje, há algumas horas atrás, e já adiantando e soltando spoilers, o assunto de hoje é no mínimo polêmico.

Sim, mamilos.

Mamilos meus amigos, quem não gosta de mamilos não é mesmo?

São pequenos artefatos de beleza imensurável criados pela natureza.

De todas formas, cores e tamanhos. Não há como expor a beleza dos ‘peitinhos’ que todos amamos em simples palavras, a única a coisa a ser dita, seria , um rosadinho ou um moreninho vale mais do que um pipizinho.

Sem mais delongas vamos ao amor.

Uma bela tarde de terça-feira, chego em casa após mais um dia árduo (nem tanto assim) de trabalho, e para que não sabe trabalho como vendedor de salames inteiros em conservas, agora imagine uma lata do tamanho de um salame, e se não acredita pergunte a sua mãe.

Enfim, após me despir e tomar uma aspirina para dor de cabeça, que estava demasiada neste dia, recebo a noticia de que fui requisitado para resolver problemas técnicos de dois vizinhos, e ai é que a aventura começou.

Após dar uma cochilada breve de meia hora e alimentar o mendigo que vive em meu esôfago, troquei minhas veste e fui ao encontro do destino mais uma vez.

Normalmente não tenho muito ânimo para ir ao mundo real, mas após me drogar, dormir e comer, tudo parecia legal, até depilar o antebraço com cera, coisa que não fiz.

Tomei o elevador e fui para a primeira parada do dia, um casal de vizinhos que estava tendo problemas com 2 computadores e uma impressora, como odeio impressoras, relevei e fui direto aos computadores. Diagnóstico formado e pessoas compradas pelo meu sorriso angelical.

Peguei as duas máquinas e voltei para minha residência para averiguar com mais calma, um adendo, um era portátil e outro um desktop, não sou tão forte a ponto de andar com dois gabinetes ao mesmo tempo é claro.

Deixei-os em meu antro de perdição cujo carinhosamente chamo de quarto e parti para minha segunda parada do dia.

Mesma rotina de elevador, e descida no andar.

Caminhei com meu gingado sensual e simpatia que todos da raça Afro possuem, e bati na porta com toda virilidade, força e potência que uma boa batida exige (interprete ao seu gosto).

Ouço passos meio apressados e um grito:

– Já vai!

Era uma voz feminina.

A porta se destrancou e lá estava, a filha mais velha do vizinho, que é bem afeiçoada e de atributos fartos se assim me permitem dizer-lhes.

Um pequeno detalhe que não teria como ser ignorado, ela estava de roupão.

Até ai tudo bem, que mal tem um roupão não é? Não foi a primeira vez que fui lá e não será a última (ainda mais depois desse lindo dia).

Adentrei (na casa, não na moça, para minha infelicidade), e fui direto ao assunto.

Diálogos vem, diálogos vão.

A formosa donzela sentou-se de lado em sua cama.

E como todos sabemos, os tecidos tem uma característica interessante. Quando você se senta, eles tendem a ficar mais folgados.

Olhei para o lado conversando em um papo bem descontraído, divertido e pimpão. E logo em seguida, tive a visão que fez minha existência na terra ter mais um pouco de significado talvez.

Uma luz forte e ofuscante desceu sobre meus olhos e coral de Anjos regidos por Barry White começou a cantarolar a melodia que embalou meu coração.

Lá estava ele. O mamilo.

Em toda sua graça, plenitude, cor e formosidade.

Uma cena linda realmente, digna de um quadro renascentista.

Até que voltei para realidade (nem tanto) e os Anjos começaram a suar em bicas, Barry White já estava descabelado e num sonoro coro, gritaram:

– ELA TA PELADA MALUCO!!!

Todos temos um alarme interno que disparada em situações de emergência, o meu no caso tocava Sensual Seduction com uma luz vermelha piscando intensamente.

Tentei continuar concentrado apesar de não olhar mais tanto para a tela, a circulação sanguínea já não eram mais tão forte, pelo menos não nos membros superiores.

Em todos esses anos acumulei uma boa quantidade de cenas de produções cinematográficas para adultos em minha mente, sem contar os pelos nas mãos.

Imaginei todas as situações possíveis, desde entregadores de pizza a encanadores.

“- Você poderia consertar isso aqui…BAAMM Vulva!”

“- Vou abaixar para pegar isso aq….BAMM VULVA!!!”

Alternando entre o caos e filmes adultos passando em fasforward em minha mente, consegui terminar meu trabalho, sem fins lucrativos certamente. Uma dica, após ver a beleza do ser humano não há preço a ser cobrado.

Sai tristonho e feliz ao mesmo tempo.

Feliz por, bem, vocês sabem.

E triste pela realidade, ser tão fria e triste.

Nem ao menos um:

“- Estou com tanto calor…BAMMM…Vu.. Acho que vocês entenderam.”

E esse foi mais um dia, na vida deste pobre ser, que um dia a terra, há de comer.

Fin.

 

 

Ps: Porra quase esqueci dos ps’s hoje

Ps²: Não, ela não estava me dando mole.

Ps³: Se estava irei chorar essa noite.

Anúncios

4 Respostas to “Causos, mamilos e coisas assim…”

  1. Carlos agosto 15, 2015 às 2:18 pm #

    Peitos fazem com que o mundo real seja tentador :3

  2. Renan Francisco Macarroni da Silva setembro 14, 2015 às 5:05 pm #

    vc eh engraçadíssimo! vou acompanhar teu blog.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: