Tag Archives: aventuras

Eventos, Bigodes e Frutas de Pelúcia…

15 dez

"Esse é o Pyo, também conhecido como Eu em pelúcia"

Well…Primeiramente peço desculpas por “abandonar” o blog, como todos sabem sou MUITO preguiçoso, e a já citada preguiça não me deixava escrever…. Sem mais encheção de salame, vamos às boas novas.

Esse final de semana que se passou, mais especificamente, Sábado dia 12/12/09 (segundo o calendário cristão) foi um dia muito peculiar, alegre, contente e fofinho, ou seja, um dia muito pimpão.

Ai vocês perguntam: “Tio Tomatte o que pode ter acontecido que o deixou tão feliz e contente? Está sob o efeito de “dorgas” pesadas?”

E eu respondo meus caros homo sapiens, nesse dia já citado ocorreu o evento mais esperado do ano, também conhecido como “Anime Family”.

Para que não faz a mínima idéia do que o vegetal aqui está falando, eu explico.

Anime Family é um dos muitos (sim existem MUITOS, muitos mesmo) eventos sobre “animes” e cultura japonesa em geral, pode ser considerada uma confraternização bem consumista, pois lá o que chamamos de “Okane” (grana, mufunfa, dinheiro, capim…) se esvaia em uma velocidade impressionante, seja com comida ou “acessórios”.

De volta as minhas aventuras. Pegamos o metrô bem cedo e chegamos lá por volta dás 10h ou 11h (da manhã é claro) e em seguida saímos em uma jornada para chegar à “Terra Prometida”,  andamos por volta de 30min com um pequena parada para “encher o bucho”, o que me levou a conclusão de que devíamos ter pego um ônibus até o local; foi realmente uma caminhada muito cansativa.

Chegando ao local propriamente dito, nos deparamos com uma fila que deixaria o “INSS” com inveja, era realmente muito grande (ui), mas como sempre amigos conhecem amigos e assim fomos avançando até metade da fila, alguns chamariam de “furar fila”, eu chamo de ”atalho burguês” (Por quê? Vai saber né…).

A fila é sempre um caso a parte, muitas pessoas gritando, dançando, morrendo no intenso calor do “Hell de Janeiro”, algumas com armas brancas e algumas levemente alcoolizadas. Depois de mais ou menos 3h em pé e quase entrando em coma “induzido”, conseguimos adentrar ao “Maravilho Mundo da Fantasia” (noffa). Ah! O que me fez lembrar que no meio do caminho tenho quase certeza que vi a entrada para Narnia, mas isso não vem ao caso.

A primeira impressão ao entrar foi: “Nossa! Que cheiro de comida!”

Pois pela primeira vez (eu acho) tinha uma pequena praça de alimentação perto da entrada, os preços eram bem absurdos, mas o cheiro era divino *-*.

Como sempre estava bem cheio, muitos cosplayers passando pra lá e pra cá, os estandes estavam muito bons e cheios de novidades. A única coisa que evitou de ser um evento perfeito foi a falta de atrações mais organizadas, claro tem shows, salas temáticas, mas fica uma sensação de que essas atrações são meio abandonadas ou deixadas de lado.

No geral foi um ótimo evento, fizemos “semi-cosplay” de Mario, Mario e Wario (Eu, Lu e Lu).

Na volta do evento foi bem interessante, pois como todos sabem, eu perdi toda a noção de vergonha na cara que me restava, e saindo de lá simplesmente não tirei o “cosplay”, na rua foram muitos olhares de “Oh! Que menino retardado” e “Oh! O Mario!”, mas na verdade todos estavam com inveja do meu bigode =D.

Foi um dia muito “lekal”, e aprendi que um bigode bem cuidado seduz qualquer ser vivo. Então fica a dica, quer ser popular com as humanas? Cultive um belo bigode e será o rei! Fikdik 😉

Ps: Os seguintes “ps’s” foram adicionados cerca de 5h depois do post o..o”

Ps²: Eeeee memória boa ¬¬”

Ps³: Que Mario?

Anúncios

Aventuras na Cidade Grande, Jornaleiros e Violência Verbal….

18 nov

"Darth odeia metrô cheio....."

Well…..Narrarei esta historinha como se tivesse ocorrido hoje, pois ontem estava com preguiça de escrever.

Hoje foi um dia um tanto peculiar. Estava eu na minha, cuidando de minha humilde vida; devia ser por volta de umas 10hs da manhã, quando derrepente toca o telefone, e ao longe escuto um grunhido, no momento pensei que era um javali engasgado com um amendoim, mas seria BEM improvável de acontecer, continuei ouvindo aquele som confuso, que ao mesmo tempo parecia chamar meu nome, e como podem perceber sou bem tapado, mas finalmente percebi que era meu progenitor ou “papai” me chamando, logo notei que alguém estaria querendo papear comigo.

Em seguida fui atender a misteriosa ligação matutina, para minha surpresa não havia ganho uma viajem ao Caribe nem um Macbook (se alguém quiser me dar um não negarei), na verdade era algo muito melhor, em meu dia de “folga” estava sendo “gentilmente” convidado a trabalhar!!! Não é uma coisa maravilhosa amiguinhos???? ¬¬”

Bem, como estava “falando” fui convidado a trabalhar, mas não trabalhar aqui como de costume, mas sim na cidade grande (OHHHHHHHHH!), recebi a missão de ir a um armazém averiguar alguns computadores. Como todos sabem (ou não), me perco com MUITA facilidade, e tenho o senso de direção de uma marmota alcoolizada, ou seja, andar sozinho não é pra mim.

Mesmo com minha restrição cerebral tive que encarar o desafio, peguei o endereço, o nome do cidadão que iria me atender, minhas tralhas e fui para minha aventura.

1h, um ônibus e 2 trens depois, estava eu no centro (da cidade), já havia dado uma olhada no lugar pelo “Google Maps”, mas chegando lá era um tanto diferente, chutei pra qual lado iria e segui, 4m (metros) depois parei em uma banca de jornais para pedir “informações” e saber onde infernos eu estava. Sem brincadeiras fiquei parado 5min em frente a jornaleiro e o “Filho de uma pura e boa mãe” me ignorou completamente, me toquei que estava sendo completamente ignorado e fui pela sorte; outra banca estava mais a frente e lá fui me á tentar de novo, por sorte dessa vez tive sucesso, apesar de notar um tanto de desprezo do jornaleiro por minha pessoa, percebi que jornaleiros são pessoas muito rabugentas e dignas de violência verbal (claro que não me refiro a todos os filhos das “mães”, símios, malditos, da África), continuei seguindo o caminho, olhando placas e ruas, e apreciando a bela arquitetura das construções; 10min depois cheguei ao local determinado.

Tendo chegado lá não havia ninguém, liguei para o cidadão que devia estar a minha espera, e próprio disse que já estava chegando, por volta de 30mins depois o já citado humano apareceu. Batemos um papinho (muito superficial por sinal) e o bendito ser resolveu me falar que o armazém estava fechado pois os donos haviam saído e nada podia fazer. Foi um momento digno de um “Fuuuuuuuuu” bem grande; ou seja, havia me despencando da filial do inferno (conhecida como Pavuna por alguns), lá para casa do “baralho” para absolutamente nada!!!!

Foi muito frustrante, mais frustrante do que quando descobri que coelhos não botavam ovos e muito menos de chocolate, hoje em dia acho um alivio, mas foi bem ruim na época.

Aparentemente não havia mais nada a fazer e retornei para casa, um fato interessante que aconteceu foi que, dentro do metro, já bem perto de casa consegui sentar (ui), e havia um senhor de idade avançada, ao meu lado, momentos depois percebi que estávamos sentados exatamente na mesma posição, acho que devido a nossas colunas fracas e absurdamente tortas, parece estranho (e muito), mas foi uma cena muito “bunitinha e cuticuti”, se pudesse o chamaria de vovô, provavelmente seria xingado e preso por perturbação da paz alheia, mas seria legal.

Chegando em casa, voltei para meu habitat, e fiquei até o anoitecer, por volta das 8hs escuto um som que poderia ser definido como “JESUS,MARIA E JOSÉ! ISSO QUE UM É SOM ALTO!”, quando olho através da janela vejo dois símios em uma motocicleta um deles portando uma arma de alto calibre, comigo pensei “Macacos não deveriam manusear armas…”. E isso ocorreu bem ao lado de “meu” edifício. Conclusão o mundo está mesmo perdido, qualquer “Motha Focka” hoje em dia pode manusear armas de fogo…..

 

Ps: Por isso não compro jornal….

Ps²: Já passou a páscoa?

Ps³: coisas…muitas coisas….

Mais Calor, Churrasco de Gato e Torcidas Felizes….

7 nov
wesley

"Eu não pago passagem..."

Well….Hoje foi um dia MUITO, mas MUITO, MUITO quente.

Com tal aquecimento extremo percebi algumas coisas durante o dia.

O calor gera muitas coisas e muitas delas são bem ruins, tipo: Fadiga, náuseas, enxaquecas, desmaios e torcedores enfurecidos (Se os sintomas persistirem favor consultar um médico).

Estava eu, indo para o que chamo de “curso”; fui até o ponto e peguei o ônibus até a estação de metrô, chegando lá, fui subindo a rampa e no meio da rampa encontro meu queridos amigos que carinhosamente chamo de “miguxooooxxxxx” (ou não), nos xingamos como de costume e prosseguimos para mais um dia de aventura nas terras distantes de Copacabana, porém tivemos um “pequeno” probleminha. Ao chegarmos à estação em si, vimos o que eu chamaria de “CAC*TE AQUI TEM GENTE PRA CAR*LHO!!!”, e olhamos aquele mar de seres humanos curiosamente uniformizados com camisas brancas e cruzes de malta, naquele momento pensei: “Oh! Acho que terá algum jogo do time futebolístico nomeado de Vasco da Gama”. E não é que eu estava certo?!

Bem, prosseguimos nossa viagem. Um pouco mais tarde no mesmo calor infernal de 1h atrás chegamos ao nosso destino, caminhamos no sol escaldante até o prédio demarcado,chegando lá tudo resolveu ficar ainda mais divertido e animado, ao adentrar o que chamamos de “sala” o Ar-Condicionado simplesmente havia quebrado e para ficar ainda mais legal, foi só o da nossa querida sala, não é uma coisa supimpa amiguinhos???? Ficar em uma sala extremamente quente por 2h com seus glúteos já adormecendo e pessoas gritando “Não sinto minhas pernas!!!!”.

Passadas 2h no inferno com internet, fomos ao retorno de nossas residências, mas como o dia estava muito contente e pimpão, esquecemos de um “pequenino” detalhe. A antes citada torcida vascaína, um povo muito amigável, porém em grandes quantidades pode se tornar MUITO agressiva e fervorosa se assim posso dizer.

Eu e meus “miguxoooooooxxxxx” (não), fizemos um pequeno “macete” de ir pelo outro lado das escadas e adentrar pelo lado opostos do metrô para irmos sentados durante a viajem (Sim, é uma manobra muito complexa e leva-se anos para aprender). Depois de tal ato digno de um filme de Wesley Snipes, conseguimos sentar (uí), logo após entrou a torcida já citada algumas vezes, como podem imaginar, fizeram muito silêncio e rezaram missas dentro do vagão (Sim, e o mundo é feito de chocolate com granulado, e nos rios correm litros de vodka russa…).

Apesar de não participarmos da culminância de seus rituais de acasalamento (Sim, foi uma viajem muito estranha), aprendi muito com eles, como:

– Existem muito mais palavrões do que imaginamos, e eles podem ser gritados em voz alta sem nenhum tipo de repressão e por mais ódio em que use para expeli-los contra seus amigos eles nunca ficaram irritados, a menos que aja contato corporal tal como um esbarrão ou pisada no pé mesmo que acidental.

– Qualquer pessoa pode “puxar” a qualquer momento um hino de torcida, e quase todos irão começaram a cantar em seguida.

– Ritmo e afinação não importam muito quando se canta perto dos 100dB (decibéis).

– Juntamente com a alegre cantoria vem uma grande fúria e todos começam a bater com todas suas forças e tudo o que estiver perto inclusive, paredes, outdoors, tetos, animais e idosos.

– Gritar o nome de outro clube futebolístico além de considerado blasfêmia, é punido com amputação de seus órgãos “internos” e os mesmo serão vendidos como churrasco de gato em São João de Meriti.

Essas são alguma das pequenas coisas que aprendi com esse povo tão bacanudo que arrebenta a boca do balão com sua galerinha da pesada em altas aventuras.

E para finalizar por que já escrevi muito e minhas costas doem. Uma coisa que percebi nesse dia foi que apesar do calor nos deixar tão indispostos, também aproxima as pessoas, todos ficam muito mais relaxados (Se jooooooga biba WuW) por que não estão ligando para absolutamente nada , e assim ficam mais à-vontades para falar sobre muito mais coisas do que falariam normalmente ou em dias de frio em que ficamos menos ativos.

e….FIM! u-u”

 

Ps: Esse post é totalmente fictício (ou não)

Ps²: Blade também não paga pensão….

Ps³: Não, o post não é fictício (ou sim)

%d blogueiros gostam disto: